Arte e Cultura

Criatividade para se reinventar e sobreviver

Como ideias criativas podem se tornar estratégias de sobrevivência neste momento de transição

 

Estamos vivendo um momento novo, sem precedentes na história recente. A criatividade, em tempos de coronavírus e quarentena, nunca foi tão importante. Vemos pessoas, empresas e redes sociais se reinventando diariamente, com uma presença on-line cada vez maior.

Em um mundo altamente conectado (e, por enquanto, ainda isolado) ser criativo é uma questão de sobrevivência. Muitos negócios têm sofrido com as medidas de isolamento social, mas a solução pode estar em ideias inovadoras e “fora da caixa”.

Redes sociais como o Instagram e o Facebook trouxeram recursos para as pessoas lidarem melhor com a quarentena, como o co-watching (em que os usuários adicionam amigos em uma mesma chamada e podem navegar por postagens enquanto o bate-papo acontece). O LinkedIn também está testando uma ferramenta de stories, para ampliar a experiência de seus usuários.

Em um contexto no qual a inovação é uma necessidade, as empresas não podem se acomodar. “A gente está sempre buscando o novo, o diferente. Não queremos cair no normal”, explica a arquiteta e influenciadora digital Ana Rozenblit, do escritório Spaço Interior. “Acho que isso é uma coisa que traz um diferencial enorme para a nossa marca e nosso produto: não ser igual a ninguém.”

De acordo com a arquiteta, inovar já era uma palavra-chave nas ações de seu empreendimento, mesmo antes da quarentena. “Na verdade, nossa mudança de comportamento foi pequena, porque já temos feito há algum tempo essa movimentação, essa transformação nas redes sociais. Toda a nossa parte criativa e de captação de clientes sempre foi feita pensando nessas mídias. Por exemplo, em janeiro deste ano lançamos um ciclo de lives e tivemos vários convidados: designers, advogados, celebridades, formadores de opinião… Foi algo muito positivo para o nosso negócio.”

Nesse sentido, o que mais pode ser feito para manter o engajamento, nestes tempos de quarentena? “Estamos qualificando e mostrando cada vez mais nosso trabalho, nossos projetos autorais, executados a quatro mãos (junto com Sabrina Salles). Estamos destacando algo que a gente já tinha e também postando um pouco mais do que antes. Também temos procurado nos aproximar mais do público. Já falávamos do nosso dia a dia nos stories e agora estamos fazendo essa transição para o feed. Eu acho que esse é o maior segredo: não ir na onda de todo mundo e sempre tentar inovar”.

 

 

Como as ideias inovadoras se formam

A criatividade não envolve apenas um lado artístico, como muitos pensam. Trata-se de solucionar problemas e pensar de maneira ampla, usando a imaginação e se adaptando às circunstâncias. Ser criativo envolve partir de suas ideias e referências para criar algo novo. É mais uma forma de ver as coisas do que uma atitude.

Além da óbvia necessidade da criatividade para as artes e entretenimento, para contar histórias e expressar pensamentos ou sentimentos, ela também pode se manifestar no esporte (quando atletas sem recursos conseguem se destacar), nos negócios (quando as empresas deixam de fazer “mais do mesmo” e se permitem ir além) e até mesmo na vida quotidiana (quando aprendemos a contornar situações desafiadoras e inesperadas, como a que estamos vivendo).

Mas como funciona a criatividade? Como é o processo de formação das ideias no nosso cérebro e de que forma podemos explorar melhor essa capacidade de inovação, inventividade e adaptação?

De acordo com o escritor de ciência norte-americano Steven Johnson, autor de Where Good Ideas Come From (De Onde Vêm as Boas Ideias), podemos tirar algumas lições observando a evolução das inovações ao longo da história da humanidade.

 

 

Segundo Johnson, tanto a evolução quanto a inovação tendem a acontecer dentro de um contexto de proximidade, ou seja, quando uma série de possibilidades se juntam em um mesmo local e época para dar origem a uma determinada ideia.

Por exemplo, a Teoria da Evolução de Charles Darwin só foi possível no contexto do século XIX, porque antes disso não haviam as referências necessárias para que ela fosse criada. O mesmo pode-se dizer de outras grandes descobertas, que precisaram de um ambiente de conhecimento anterior e coletivo para fundamentá-las.

Ao contrário do que muitos imaginam, as grandes ideias que transformaram o mundo não aconteceram de uma hora para outra, em momentos do tipo “Eureka!” Elas foram desenvolvidas lentamente, ao longo de muito tempo, sendo gradualmente amadurecidas. Todas essas ideias, no entanto, surgiram em pessoas que se permitiram ver as coisas já existentes sob novas perspectivas.

A conexão entre diferentes pessoas e ideias gera criatividade e inovação. Hoje, temos a oportunidade de viver em um mundo totalmente conectado, com acesso às mais variadas manifestações do pensamento humano. Como podemos nos aproveitar desse contexto, para navegarmos de forma mais serena e inteligente pelas crises? Simplesmente olhando ao nosso redor e colaborando uns com os outros, não tendo medo de errar e nos reinventando. Talvez encontremos mais perguntas do que respostas, mas questionar é certamente o primeiro passo para criar.

 

Live Compartilhar: bate-papo criativo

Exercendo toda a nossa criatividade, a Esquema lançou um projeto de lives no Instagram, para engajar os seguidores e compartilhar ideias durante este período de isolamento. Todas as semanas, nosso CEO Marco Túlio Vilela Lima conversa com especialistas nas mais diversas áreas, sempre traçando paralelos com o mercado imobiliário. Confira os temas e convidados:

30/março – Daniel Caldeira (CEO da Mogno Capital) – “Comportamento e expectativas para os fundos de investimentos imobiliários”

01/abril – Renata Taveiros de Saboia (neuroeconomista especializada em economia comportamental e tomada de decisão) – “O que acontece com o seu cérebro em tempos de incertezas e como isso afeta suas decisões econômicas”

03/abril – Rafael Antal (diretor jurídico da Esquema Imóveis) – “Negócios imobiliários no momento atual – aspectos jurídicos e práticos”

06/04 – Gustavo Succi (conselheiro de administração) – “Conselhos administrativos: como está sendo a adaptação, ações e gestão de empresários”

08/abril – Bruno Gama (CEO da CrediHome) – “Crédito imobiliário e oportunidades de negócios”

10/abril – Márcia de Luca (autora e estudiosa de yoga, meditação e ayurveda) – “Como aproveitar momentos de crise como oportunidade de crescimento”

13/abril – João Rozario (marketing director / CMO Italy & Southern Europe da Pernod Ricard) – “Intercâmbio na Itália sob diversos aspectos”

15/abril – Antonio Carlos Toze (designer estratégico e criativo) – “Criatividade e inovação: temas essenciais para o futuro”

17/abril – Ana Rozenblit (sócia, head de marketing e novos negócios do escritório Spaço Interior Arquitetura) – “Criatividade nas redes sociais: um bom negócio”

20/abril – Sabrina Salles (arquiteta e sócia do escritório Spaço Interior Arquitetura) – “Bem-estar e viver bem: indispensável”

22/abril – Beto Pandiani (velejador, palestrante e escritor) –  “Aprendizados de um grande velejador: solitude, disciplina e boa gestão”

23/abril – Fernando Scherer / “Xuxa” (atleta olímpico e empresário) – “Momentos desafiadores: calma, concentração e preparo”

24/abril – Marcelo Cherto (fundador e presidente do Grupo Cherto, fundador do Conselho da Associação Brasileira de Franchising – ABF, autor e coautor de mais de 12 livros) – “Lições de crises anteriores”

29/abril – Emílio Terron (professor e mestre em Filosofia pela PUC) – “Como estar à altura dos eventos que mudam o curso de nossas vidas”

04/maio – Alison Paese (fundador e apresentador do canal @forasdeserie) – “Os aprendizados das lives

06/maio – Sabina Deweik (caçadora de tendências, futurista, pesquisadora de comportamento, educadora e palestrante) – “Futurismo e as tendências do comportamento”

08/maio – Flávia Lippi (pesquisadora de comportamento) – “Mudamos ou não mudamos depois da quarentena?”

11/maio – Marcelo Alcântara (sócio-diretor da Esquema Imóveis) – “Esquenta para o aniversário de 50 anos da Esquema”

13/maio – Pedro Penido (consultor de empresas e professor da Escola Conquer) – “A importância da inteligência emocional”

18/maio – Fernanda Genthon (home stager) – “Lançamento da websérie Home Staging – Criando Cenários e bate-papo sobre o home staging, estratégia de marketing que acelera a venda de imóveis”

22/maio – Rui Piranda (publicitário) – “O papel da propaganda em tempos de pandemia”

26/maio – Livia Bello (fonoaudióloga, especialista em comunicação pessoal e oratório) – “Os desafios da comunicação durante o isolamento social”

 

Spread the love