Comportamento

A importância do propósito

Tanto no campo pessoal quanto profissional, a busca por um propósito é o que dá sentido à vida

 

Mesmo quando tudo parece estar em ordem na nossa vida – carreira, família e vida social – pode ser que tenhamos a sensação de que alguma coisa ainda está faltando. Em geral, essa “coisa” é o senso de propósito, um processo que envolve autorreflexão, escutar os outros e encontrar o que nos motiva. Na verdade, ter um propósito pode representar muito mais do que um mero clichê ou um plano a ser realizado num futuro distante, mas uma ferramenta para uma vida mais feliz e saudável.

Em uma pesquisa realizada nos Estados Unidos pelo jornal The New York Times, constatou-se que apenas 25% dos entrevistados possuíam um senso de propósito claro e definido sobre o que dava significado à vida. Mas por que é tão importante saber o que você quer fazer e para onde quer ir em sua jornada? De acordo com um artigo da revista científica Applied Psychology, pessoas que têm um senso de propósito e de controle sobre a própria vida tendem a viver mais. Elas buscam seu bem-estar e cuidam melhor da saúde, além de apresentarem menos risco de terem infartos, derrames e diversos outros problemas de saúde.

 

Propósito na vida pessoal

Do ponto de vista pessoal, ter um propósito é importante para poder alcançar seus objetivos. “Acredito que uma vida sem propósito é uma vida em que você caminha sem saber para onde está indo. Vejo o propósito como um guia que vai lhe levar para o caminho que você tem que seguir, estando em tudo que se faz”, afirma a terapeuta holística Carolina Petroni. “A importância de ter um propósito é poder realizar aquilo que a pessoa veio fazer neste mundo e que somente ela pode fazer. É algo único para cada indivíduo.”

De acordo com Carolina, os principais indicadores para o propósito na vida pessoal são seus talentos pessoais e suas paixões. Fazer uma autoanálise desses aspectos pode mostrar o que cada um tem a acrescentar para o mundo. “O propósito não está ligado a uma área específica, mas permeia tudo que fazemos em nossa vida. Por exemplo, pode ser que você seja um bancário e possui talento para lidar com pessoas e números, para ajudar os outros com suas questões financeiras. Dessa forma, sai de casa todos os dias se sentindo útil e sabendo que seus talentos estão ajudando alguém. É esse senso de utilidade e de serviço que representa a paixão em fazer algo”.

Segundo a terapeuta, vale a pena perguntar a si mesmo: se não fosse pelo dinheiro, o que eu gostaria de fazer na minha vida? A partir disso, há alguns passos que podem ser seguidos para colocar esse propósito em prática. “Ao identificar seus talentos, o ideal seria expressá-los no mundo. Pode ser que a pessoa perceba uma oportunidade para mudar de profissão, ou a possibilidade de estudar algo novo, de realizar um ano sabático ou qualquer outra situação que a leve na direção daquilo que vai trazer uma vida vivida com mais paixão, amor e serviço”, explica Carolina.

A recomendação da especialista é de que a pessoa que busca seu propósito dedique um tempo para se concentrar em seu próprio desenvolvimento interno. “Pode ser através de uma aula de yoga, meditação, exercícios respiratórios ou qualquer atividade que lhe permita conectar consigo mesmo e ouvir sua voz interior. O caminho para dentro de si é o melhor guia para que você possa descobrir seus talentos e paixões”, recomenda. Para a terapeuta, o maior erro é pensar que o propósito está ligado a algo fora de si. Trata-se de um senso de que você está dando seu melhor, uma vontade genuína de fazer o bem para si mesmo e para o próximo.

 

Algumas dicas para encontrar (e manter) seu propósito:

  • Doe seu tempo, dinheiro ou talento para fazer o bem a outras pessoas. Estudos indicam que comportamentos altruístas ajudam a dar sentido à vida e provocam uma sensação de satisfação pessoal. Ao que parece, o ditado estava certo: dar é melhor do que receber.
  • Ouça o que os outros têm a dizer. Às vezes, estamos tão concentrados em nossos próprios problemas que não conseguimos encontrar soluções. Uma visão “de fora” pode ser o que faltava para ampliar nossa perspectiva ou visualizar um caminho para uma situação que parecia sem saída.
  • Tente se cercar de pessoas positivas. Você é o resultado das pessoas com quem convive, por isso escolha a companhia daqueles que lhe fazem sentir bem. Fuja de relações tóxicas ou prejudiciais, cercando-se de quem o inspira a ser alguém melhor, contribuindo para sua evolução pessoal.
  • Converse com pessoas novas. Ampliar seus horizontes é essencial para que você perceba possibilidades e oportunidades ao seu redor. É bem possível que, com isso, descubra novas atividades que o façam feliz ou lugares diferentes a serem explorados.
  • Perceba quais são as coisas que verdadeiramente lhe interessam. Os assuntos sobre as quais você gosta de conversar com seus amigos ou compartilhar nas redes sociais falam muito sobre seus interesses, sobre o que você ama fazer, revelando também o que pode lhe dar um senso de propósito na vida.
  • Considere com atenção as coisas que lhe incomodam. Tudo o que é prejudicial ou nocivo, que nos deixa ansiosos ou chateados, deve ser considerado em nossas vidas. Somente depois de uma boa reflexão você será capaz de transformar essa angústia em crescimento, descartando-a de sua vida ou aprendendo a lidar com ela.

 

Propósito na vida profissional

Não é apenas na vida pessoal que o propósito é importante e útil. No universo corporativo, ele é uma questão absolutamente estratégica. Conforme explica Gustavo Succi, conselheiro de administração, definir o propósito significa definir estratégias. “Estratégia, para mim, é saber por que dizer ‘não’. Quando tenho um propósito muito claro, eu consigo trabalhar isso.”

Dando como exemplo a Esquema Imóveis, cujo propósito é “transformar a percepção do mercado em relação ao valor das instituições e profissionais que atuam na intermediação imobiliária”, essa intenção bem definida permite estabelecer pontos a serem mantidos na empresa e outros aspectos a serem melhorados. Trata-se de uma espécie de guia, orientando os gestores sobre o que fazer – e também sobre o que não fazer – na condução de seus negócios.

Gustavo Succi acredita que a pandemia do coronavírus trouxe relevância para alguns assuntos e também gerou contrastes, principalmente no que diz respeito ao propósito no mundo corporativo. “Empresas que não tinham um propósito claro sofreram e sofrem de maneira muito mais profunda do que aquelas que tinham. Então, isso transformou essa questão em algo mais evidente, mais urgente”, declara.

Segundo o conselheiro administrativo, há metodologias que podem ser utilizadas para estabelecer um propósito, que envolvem entender qual o impacto que você quer causar com sua empresa e para quem isso se destina. “É muito importante definir, no propósito, a escala de impacto – por exemplo, quantas pessoas pretende-se atingir, em tanto tempo, etc.” Ele enfatiza que um dos maiores erros, nesse sentido, é pensar a partir do produto e não do que a empresa pretende alcançar ou da transformação que você deseja causar no mundo por meio desse empreendimento.

Além disso, é fundamental saber comunicar a todos os colaboradores o seu propósito, de modo que ele possa ser concretizado. “O propósito é um das dos pilares da cultura de uma empresa. Ele precisa ser verdadeiro e sua evolução deve ser acompanhada. O gestor precisa trazer isso dentro do seu planejamento estratégico e em todas as discussões que fizer com sua equipe, fazendo com que ele seja parte da cultura e da comunicação da empresa”, ressalta Succi. Para que todas as pessoas trabalhem com o mesmo propósito, o especialista aponta a necessidade de contratar colaboradores que comunguem desse propósito e que estejam alinhados a ele. Afinal, trata-se de um trabalho que envolve toda a equipe: compartilhando do mesmo objetivo, obter resultados concretos que beneficiem a todos é apenas uma consequência.

 

Spread the love